Páginas

Solidão




É que tem horas vazias em que preciso tanto, tanto pedir socorro. Mas não há ninguém. E a voz é precária e frágil. Ando a procura de mim, não quero mais entregar a minha felicidade na esperança de encontrar alguma companhia. E as pessoas... Ah, ninguém pode ocupar esta ausência que existe desde que os tempos se formaram. Sei que mesmo se tivesse alguém neste momento a quem pudesse segurar a mão - ainda assim estaria sozinho. Em dias solitários, sussurro a frase de Clarice Lispector (in Água Viva): "Que o Deus me ajude: estou perdida. Preciso terrivelmente de você."

Mas é tudo engano. E continuo resistindo, ainda que dolorosamente. O motivo: acostumei-me demais à sombra da minha solidão; agora presença humana não é mais suficiente para mim. O vazio ainda continuaria intacto. O silêncio. A lonjura de pensamentos. A minha amargura de alma.

Clebson Moura Leal 

Nenhum comentário:

Postar um comentário