Páginas

Não te acordes



      Deito-me perto de ti, onde a sombra do sono cobre nossas pálpebras, delicadamente. E estás dormindo há tanto, tanto tempo que não ouso pronunciar de leve o teu nome. Pelo contrário, uso a voz para embalar-te ainda mais dentro deste esmorecimento ilimitado ao qual foras destinado. Porque, mesmo que sofra a tua ausência dolorosamente a cada momento, não quero que te acordes: assim desenharás lindos sonhos;   estarás adverso aos horrores do mundo; e os homens não te machucarão como a mim machucaram. Não te acordes, meu amor: ah, sei que me abandonarias, acaso os teus olhos se abrissem novamente.  


Clebson Moura Leal

3 comentários:

  1. Quanta sensibilidade e ternura, chega a arrepiar...Coisas que só o amor é capaz. Passa lá amigo, saudades
    Abraços

    ResponderExcluir