Páginas

Festa


tinha estendido minha orfandade
sobre a mesa, como um mapa.
Desenhei o itinerário
até meu lugar ao vento.
Os que chegam não me encontram.
Os que espero não existem.

E tinha bebido licores furiosos
para transmutar os rostos
num anjo, em copos vazios.

_____

FIESTA

he despleado mi orfandad
sobre la mesa, como un mapa.
Dibujéel itinerario
hacia mi lugar al viento.
Los que llegan no me encuentran. 
Los que espero no existen.

Y he bebido licores furiosos
para transmutar los rostros
en un ángel, en vasos vacíos.



Alejandra Pizarnik

7 comentários:

  1. "Los que llegan no me encuentran.
    Los que espero no existen."

    lindo!
    sua seleção de textos é muito boa, Clebson. isso mostra que você lê bastante e sabe perceber a beleza quando a vê. gostei daqui.

    ResponderExcluir
  2. Os que chegam não me encontram.
    Os que espero não existem.
    Tudo muito profundo, maravilhoso. Beijos

    ResponderExcluir
  3. Realmente lindo esse poema!
    Fiquei tocado, acho que o dia de chuva...

    "E tinha bebido licores furiosos
    para transmutar os rostos
    num anjo..."

    Sinto falta do livros não objetivos!
    Abraço

    ResponderExcluir
  4. Olá!

    Obrigado pela visita ao nosso blog e elogios.

    Acho que um blog é uma forma de iniciação à vida literária, como diz que pretende seguir/fazer.

    Ele vem substituindo os diários de papel como muitos escritores e poetas usaram, embora, acredito que ainda não perderam a sua importância, já que, a relação com a caneta e o papel é, para mim, fundamental no processo criativo.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  5. O segredo é não correr atrás das borboletas... É cuidar do jardim para que elas venham até você.

    Mário Quintana

    Beijos & Flores na sua semana!M@ria

    ResponderExcluir
  6. Obrigado! Seus comentários são muito importantes e é muito bom reunir e ter contato com pessoas que sabem apreciar uma das grandes belezas da vida.



    "d." que bom que gostou daqui, espero encontra-la mais vezes para compartilharmos mais lindos poemas.



    Concordo com você J. José, uma das grandes invenções do homem foi a caneta, para poder colocar suas ideias, seus sonhos e seus sentimentos no papel. Um abraço.



    Obrigado à todos,

    C.M.L.

    ResponderExcluir